Sitio de la Asociación de Universidades Grupo Montevideo

Foto: Unicamp
Foto: Unicamp

Unicamp e TV Cultura lançam ciclo de encontros “Conversas na Crise – Depois do Futuro”

A série de encontros virtuais dá início no dia 6 de maio, às 16h.

Instituto de Estudos Avançados (IdEA) da Unicamp, em parceria com a TV Cultura, dá início no dia 6 de maio, às 16h, à série de encontros virtuais “Conversas na Crise – Depois do Futuro”, trazendo importantes nomes de diversas áreas do conhecimento para discutir os desdobramentos da pandemia do coronavírus e seus impactos. Com mediação do jornalista Paulo Markun, as lives ocorrerão duas vezes por semana, às quartas e sextas-feiras, às 16h, com uma hora de duração e interação com espectadores.

No próximo dia 6, o primeiro convidado é o diplomata Rubens Ricupero, que discutirá o cenário internacional pós-pandemia. Estão agendados para maio outros seis encontros com o economista Luiz Gonzaga Belluzzo (08/05), o filósofo João Carlos Salles (13/05), o educador Mozart Ramos (15/05), o ator e diretor Sérgio Mamberti (20/05), o ex-ministro Ciro Gomes (22/05) e a ex-ministra Marina Silva (27/05). As transmissões serão feitas pelas páginas da TV Cultura no Facebook e no YouTube, sem necessidade de inscrição prévia.

Paulistano, Rubens Ricupero exerceu os cargos de ministro do Meio Ambiente e da Amazônia Legal e da Fazenda no governo Itamar Franco (1992-1995) e ocupou a chefia de embaixadas do Brasil em Genebra, Washington e Roma. Entre 1995 e 2004, ele ocupou o posto de secretário-geral da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (Unctad), em Genebra. No mesmo período, foi subsecretário-geral da ONU. Foi também professor de História das Relações Diplomáticas do Brasil no Instituto Rio Branco e de Teoria das Relações Internacionais na Universidade de Brasília (UnB).

“Conversas na Crise – Depois do Futuro” é um desdobramento do projeto “A Crise Brasileira”, lançado na Unicamp em setembro de 2019 como iniciativa do IdEA. Com as restrições impostas pela quarentena, as discussões passam para o ambiente virtual, agregando a TV Cultura como parceira, com foco no debate do futuro pós-pandemia. Dentre os nomes já confirmados, seis já estiveram entre 2019 e 2020 como conferencistas de “A Crise Brasileira”.

“O objetivo do programa é dar continuidade ao ciclo de conferências sobre ‘A Crise Brasileira’, buscando refletir, agora, sobre os cenários da pós-pandemia, considerando que as mudanças que ocorrerão no mundo serão profundas nas relações sociais, políticas, econômicas e culturais”, afirma o poeta e linguista Carlos Vogt, presidente do Conselho Científico e Cultural do IdEA. “O mundo não deverá, efetivamente, ser mais o mesmo e as nossas expectativas, iniciativas, ações e esperanças são de que a grande diferença, que se instalará, globalmente, seja para melhor, muito melhor”, diz Vogt, que foi reitor da Unicamp entre 1990 e 1994.

Segundo Paulo Markun, a cobertura diária da imprensa justificadamente está se concentrando nos problemas mais imediatos da crise sanitária, como o número de vítimas, a falta de leitos hospitalares e a política de isolamento social, mas há uma necessidade de se pensar como essa situação vai modificar o Brasil e o mundo. O mediador do ciclo aponta os vários questionamentos que vêm à tona nesse ambiente de incertezas: Seremos capazes de realizar as mudanças necessárias e de estabelecer novos padrões de produção, consumo e acumulação de capital? Como será a escola, o trabalho, o meio ambiente, as relações pessoais e internacionais? Em que consistirá o tão propalado novo normal?

“Na medida em que está acabando alguma coisa e começando algo novo, que ninguém sabe o que é, as boas cabeças têm que se debruçar sobre isso. A oportunidade surgiu, justamente, convocando aquelas figuras que já tinham participado do ciclo ‘A Crise Brasileira’. Esse é um primeiro passo para que essa reflexão possa ser feita por mais pessoas”, declara Markun. “Sobre isso, ninguém vai ter uma resposta pronta, ninguém tem bola de cristal, mas refletir sobre isso e pensar sobre o que é preciso mudar para que o mundo melhore depois desse processo terrível é fundamental.” Ex-presidente da Fundação Padre Anchieta (2007-2010) e experiente profissional do jornalismo, Markun atualmente se divide entre Brasil e Portugal, de onde fará a mediação do evento virtual.

Fonte: Unicamp